Tag: bossa nova

Evento promove debates sobre startups, investimento e inovação corporativa

Organizado por Bossa Nova e ACE, Growth Summit BR acontece em São Paulo, no dia 10 de abril

Empreendedores, investidores e executivos de grandes empresas reunidos em um só lugar para debater o futuro da inovação de alto impacto no Brasil. Essa é a proposta do Growth Summit BR, que acontece em São Paulo no próximo dia 10 de abril.

Organizado em parceria pela Bossa Nova, maior fundo de micro-VC do Brasil , e pela ACE, empresa de investimento em startups e inovação corporativa, o evento terá uma série de palestras e painéis sobre temas como internacionalização, métodos ágeis e relacionamento entre empreendedores e investidores.

“Serão discussões de altíssimo nível, voltadas a pessoas que já vivem a inovação em seu dia a dia e agora querem chegar a um próximo nível”, afirma Pedro Waengertner, CEO da ACE.

Entre os palestrantes já confirmados para a primeira edição do Growth Summit BR estão nomes como André Siqueira, da Resultados Digitais, Francisco Jardim, da SP Ventures, e Peter  Seiffert, da Embraer.

“A curadoria de nomes foi feita com o cuidado de trazer diferentes visões sobre assuntos que impactam o dia a dia de quem empreende e investe”, diz João Kepler, sócio e fundador da Bossa Nova Investimentos.

O primeiro lote de ingressos, com valor promocional de 145 reais já foi posto a venda.

Serviço:

Growth Summit BR

www.growthsummitbr.com.br

Quando: 10 de abril, a partir das 9 horas

Onde: Unibes Cultural, Pinheiros, São Paulo

Quanto: 145 reais (lote promocional)

Nasce a primeira potencializadora de negócios para área de varejo, consumo e turismo

Em projeto pioneiro no Brasil a Bossa Nova Investimentos em parceria com o Grupo GS&MD – Gouvêa de Souza lança fundo para investir em startups que ofereçam soluções para o varejo.

Uma parceria estratégica e inovadora promete agitar o varejo nacional. Isso porque a Bossa Nova Investimentos – empresa referência em Micro Venture Capital na América Latina liderada por João Kepler e Pierre Schurmann se aliou ao o Grupo GS&MD – Gouvêa de Souza – maior especialista em varejo do Brasil, para criar uma potencializadora de negócios voltada para o segmento.

A primeira grande novidade desta parceria é o próprio nome, no Brasil é muito comum ouvir falar em incubadora, aceleradora, corporate venture, entre outras nomenclaturas, mas o termo potencializador é novo por aqui. “Optamos por usar este nome porque em uma única palavra ele resume o nosso maior objetivo com este projeto que é potencializar e ajudar a desenvolver o negócio de forma sólida e com todo o respaldo e infraestrutura que a GS&MD e a Bossa podem oferecer. E por que é mais do que uma aceleração? Porque não vai trabalhar o modelo de negócios, mas vai estimular o que a startup mais madura precisa: Marketing, Vendas, Conexões e Clientes”, explica João Kepler, sócio da Bossa Nova Investimentos.

E com o início da divulgação os empreendedores já começaram a se manifestar, Tania Gomes – CEO da startup 33 e 34 comentou sobre a importância da iniciativa. “Para as startups dos segmentos de varejo, consumo e turismo, há menos grupos que tem esses negócios como tese, o que reduz nosso acesso a VCs. Quando Bossa e GS&MD trabalham juntos, a probabilidade de termos um grande crescimento desses mercados aumenta. Isso porque a Gouvêa tem uma característica complementar a Bossa: eles estão dentro do mercado. Então a mentoria, consultoria, o que quer que seja tem uma capacidade de alavancar negócios que fazem diferença”.

Em relação aos negócios que serão selecionados, a GS&UP – nome da nova empresa criada para potencializar os mesmos, mira em startups que já possuam alguma tração, ou sejaempresas em fase operacional, com receita e um projeto estratégico. As startups deverão apresentar seus pitches para um Comitê Curador, que irá selecionar e aprovar as empresas que serão integradas ao Ecossistema do Grupo GS&.

A parceria gerou um fundo de R$6MM e além de contar com investimentos e o profundo expertise de indústria e negócios do Grupo GS& e da Bossa Nova, as startups que farão parte da potencializadora terão acesso sem paralelo a uma rede de relacionamento, eventos e conteúdo.

Segundo Marcelo Sucasas – CEO da GS&UP, as startups selecionadas poderão usufruir ainda da infraestrutura da nova sede do Grupo GS& Gouvêa de Souza, na Avenida Paulista, em São Paulo, que conta com espaço dedicado à inovação e coworking. “Terão acesso compartilhado a serviços como CRM, administrativo-financeiro, coaching, mentoria, vendas e marketing, comunicação corporativa e divulgação”, conclui.

Um Influenciador Digital converte?

Atualmente as marcas estão morrendo de vontade de trabalhar com influenciadores. O raciocínio que leva a essa afirmação é bastante simples: cada vez mais as marcas precisam se relacionar e ganhar confiança de seus consumidores e clientes. Os influenciadores quando se destacam é justamente porque já estabeleceram a confiança com seu público e conquistaram o respeito e admiração deles. Se as marcas alinham-se com os influenciadores certos (que realmente tenham a ver com o propósito da marca e a represente de verdade), então é mais fácil para as marcas ganhar essa confiança “emprestada” e por tabela também.

E na hora de escolher um influenciador a métrica analisada não deve ter como base o número de seguidores (como alguns ainda pensam ser o principal ponto a analisar), sua escolha precisa ser orientada após analisar fatores tais como: o tamanho da audiência, engajamento e a aderência aos valores da marca.

Isso porque existem diversos tipos de influenciadores que oferecem diferentes resultados e alcance. Os mais conhecidos são: celebridades, autoridades, especialistas, jornalistas e colaboradores da empresa. Para cada tipo de perfil se deve ter uma estratégia de comunicação diferente baseado nos fatores mencionados, além do seu campo de alcance, fit com a marca e postura. Daí a importância de escolher a pessoa certa, uma escolha ruim pode causar o resultado inverso de forma igualmente proporcional.

Existe outros tipos de influenciadores que estão aparecendo (e ganhando cada vez mais notoriedade e relevância) que são os Micro Influenciadores, ou seja, aqueles que têm relativamente poucos seguidores se comparados com os influenciadores famosos, mas que alcançam um público muito específico baseado no tema que dominam e se destacam. Essas pessoas podem ser “usadas” principalmente em ações locais/regionais e os resultados costumam ser surpreendentes, afinal, é comprovado o fato de que uma pessoa comum (e que o consumidor se identifique) gera mais engajamento e resultados do que uma celebridade distante (distante da sua realidade e geograficamente falando também).

Marcas e Empresas de todos os tamanhos e segmentos já entenderam que não podem deixar de usar/inserir a estratégia com influenciadores no marketing digital. Mais do que isso, já perceberam que o ROI chega a ser 16x maior do que as formas tradicionais de marketing, ou seja, converte em vendas mesmo.

Ou seja, um Influenciador Digital converte! A pergunta que fica é: onde encontrar o influenciador certo para minha empresa ou campanha? Em agências especializadas ou em ferramentas automáticas que ajudam a aproximar os influenciadores (com vários níveis de autenticidade e relevância) com as empresas e marcas contratantes, minha dica é a Digital Influencerwww.digitalinfluencers.com.br, empresa brasileira que tem realizado este trabalho com seriedade, imparcialidade e muita competência no mercado, vale a pena conferir.

 

João Kepler Bragawww.joaokepler.com.br

100 ferramentas essenciais para Vendas e Marketing

Em uma época em que tudo é muito dinâmico e muda de um dia para outro, entendemos que é um grande desafio nos manter conectados às tecnologias, as novas tendências de mercado, para ser encontrado e encontrar seu cliente, para ter prospects e oferecer o que o novo consumidor realmente deseja e precisa.

Vender pela internet, não é somente fazer uma loja virtual, é muito mais que isso, é preciso se atualizar com as mais variadas ferramentas, aplicações e serviços disponíveis e se preparar para competir. Para isso, é importante usar vários serviços em diferentes canais de vendas, para não ficar refém de um único método. Nesse sentido, conheça as ferramentas que selecionei que poderão te ajudar a ser ainda mais rápido, eficiente e a conquistar melhores resultados.

Acesse o e-book GRATUITO [Ferramentas Essenciais de Vendas e Marketing]. Espero que essa lista o ajude a encontrar as melhores soluções pra você, para a sua empresa e para sua equipe potencializar a performance em VENDAS e MARKETING e alcançar novos e melhores números, afinal, o que realmente conta é o resultado com o aumento no número de pedidos. Se a tecnologia pode te ajudar neste sentido, por que não? http://bit.ly/FerramentasEssenciaisJK

Bom proveito e se gostou ou se tem mais sugestões de aplicações, serviços ou ferramentas, não deixe de me mandar para kepler@joaokepler.com.br

João Kepler Braga — www.joaokepler.com.br

20 revelações sobre o empreendedorismo

Ao longo da minha vida, desenvolvi e empreendi em vários negócios, do mundo tradicional e digital, mas sempre motivado por uma vontade imensa de fazer mais, de conquistar. Tive fracassos e sucessos, experiências positivas e negativas ao longo desta jornada empreendedora. Depois de muitos anos vivendo o empreendedorismo, posso dizer que conheço bem o modelo.

Além disso, nesses últimos 8 anos, decidi parar de fazer novos negócios e começar a apoiar e investir em negócios de outros empreendedores porque poderia multiplicar meus resultados. A minha experiência prática como investidor Anjo me permitiu estar sempre em contato com centenas de empresas e empreendedores.

Acredito que isso me credencia para fazer esse resumo que por enquanto, são apenas 26 constatações e revelações que os anos de experiência, os cabelos brancos, as porradas e os aprendizados, me trouxeram até hoje.

A relação abaixo, não segue nenhuma ordem lógica (ou cronológica):

  1. Empreender não é a única alternativa para o futuro.
  2. Empreendedor de Palco é aquele que nunca fez nada de concreto ou teve um CNPJ no seu nome e tenta ensinar aos outros o que nunca executou.
  3. O empreendedor não deve internalizar algum tipo de censura como culpa por um suposto fracasso, apenas ele deve entender que é o único responsável pelos seus atos, mais ninguém.
  4. O fracasso financeiro e pessoal, não é o “inferno” do empreendedor, até porque fracassar faz parte do aprendizado pessoal e crescimento profissional.
  5. Empreendedor tem “bom ouvido”, sabe ouvir e colaborar sempre que é demandado.
  6. Não se baseia apenas em um único livro, coach ou mentor para se influenciar, ele usa diversos argumentos e experiências de terceiros para trilhar seus próprios caminhos.
  7. O empreendedor que não se planeja ou não tem metas, não vai para o inferno, apenas não sabe para onde está indo e está mais sujeito a falhar.
  8. A pessoa pessimista não está sentenciada como condenado, acredito que cada um deve ter sua própria escolha e definição da sua vida, o problema é quando interfere ou atrapalha a vida alheia com seu modo de agir e pensar.
  9. Não existe nenhuma “salvação” para quem é pro-ativo, colaborativo, criativo, engajado ou que “veste a camisa da empresa”, o que existe são atributos importantes para convivência corporativa ou de mercado. Quem não tem esses atributos não será demitido ou vai para o inferno.
  10. Não entendo o “Sair da caixa” como clichê ou uma fórmula catequética ou ideológica, acredito que é uma maneira de olhar o momento, o ambiente e o conjunto das coisas, por outras perspectivas, não somente a sua.
  11. No empreendedorismo as reuniões são abertas e geralmente não tem regras, algumas tem modelos como Design Thinking, Business Model Canvas e tantos outros.
  12. Para empreender, você não precisa nascer rico ou ter todo o dinheiro necessário, você não precisa largar seu emprego logo de cara, e claro, você não precisa se jogar de um penhasco.
  13. As ideias dos empreendedores nascem para atender a uma demanda às vezes ainda não mapeada. É como se você olhasse para onde todo mundo está olhando, mas enxergasse o que ninguém está vendo ou procurasse resolver um problema real.
  14. Empreender não significa apenas abrir um negócio. Nesse mundo cada vez mais competitivo, com a falta de emprego e mudança dos empregos por conta da tecnologia, é natural que você busque alguma ideia inovadora e disruptiva, seja para se sustentar ou para fazer algo que ninguém mais faria.
  15. A definição de gente vitoriosa, não é somente “Gente Vitoriosa Cresce”, isso é uma constatação. Ser vitorioso não é somente ter dinheiro, mas ter resiliência sobre tudo o que acontece ao seu redor. Vitorioso é ser combatente e ser feliz assim.
  16. Os livros e métodos que existem não são únicos. Na questão do empreendedorismo, por exemplo, são vários, centenas de livros e artigos com ensinamentos de pessoas de fracassos e sucessos. Para o empreendedorismo, esses livros não são como bíblias, apenas tratam de experiências vividas por pessoas reais, boas ou ruins. São narrativas que as pessoas podem usar para se inspirar, para compreender como tudo funciona e, se quiserem, para servir de referência, nunca uma regra ou doutrina.
  17. Empreendedorismo para jovens, aprender desde cedo, não se trata de “hagiografias” na analogia com a vida dos grandes Empreendedores de sucesso nos livros para serem seguidas “cegamente”, se trata de mostrar aos jovens que existem oportunidades no mercado, além do emprego e na vida, além do ambiente em que ele vive.
  18. Erros ou má fé de empresários não são sinais de iniciativas empreendedoras, mas de exemplos que não devem ser estimulados ou seguidos. Mas se isso estiver em um livro como mérito, é, sim, um sinal de alerta.
  19. O empreendedorismo começa com sonhos e com ideias, porém o seu talento para trabalhar e a sua capacidade de sonhar é que faz toda diferença.
  20. Se for empreender: No lado empresarial: comece pequeno, mas pense grande, seja arrojado e ousado de forma responsável, não infrinja leis e não se prenda apenas ao plano de negócios rígido e imexível. No lado pessoal e emocional: acredite, seja positivo, persista, tenha resiliência, espere firme a tempestade passar e não desista. Mas se for desistir, que seja de forma consciente.

Ao longo dessa jornada, um dos diversos paradigmas quebrados é que a VIDA é DURA também com quem é DURO, não somente com quem é MOLE. Foi assim comigo!

Se existe “magia” no empreendedorismo, eu acredito que esteja justamente no incompreensível, por parte de quem não pratica. A questão é mais simples, vou resumir: Aprender; Servir; Ganhar; Colaborar e Compartilhar.

Neste loop: Aprender; Servir; Ganhar; Colaborar e Compartilhar. Eu estou compartilhando com vocês. Espero que seja útil.

Pode deixar sua mensagem com algumas outras constatações para aumentarmos essa lista de forma colaborativa.

Abraços e conte comigo em sua jornada empreendedora.

João Kepler Bragawww.joaokepler.com.br

Foodster

 

Foodster é uma plataforma de venda de alimentos para escritórios corporativos.

Fazemos curadoria de cardápio com os melhores restaurantes locais e entregamos as refeições sem cobrar taxa de entrega.

 

www.foodster.com.br

 

Contatos:

José Rodolpho Bernardoni | jrbernardoni@foodster.com.br

Luis Henrique Ribeiro | luis@foodster.com.br

A necessidade de reinventar a sua empresa

Empresário que não se reinventar pode perder mercado e até perder o negócio!

O século XXI inquestionavelmente trouxe mudanças significativas para a sociedade como um todo. Nos últimos anos foi preciso “reaprender” a comprar, vender, aprender e inserir novas formas de comunicação, de marketing e até como usar a tecnologia a seu favor. O fato é: estamos na era da valorização dos bens intangíveis e do capital intelectual e de novos modelos de negócios. Ou seja, atualmente as ideias e projetos sólidos valem mais que muitos prédios enormes de concreto e isso sinaliza uma tendência irreversível.

E em meio a tantas mudanças (rápidas diga-se de passagem), os empresários estão diante dos maiores desafios que já enfrentaram nos últimos tempos. Não digo isso somente pela crise brasileira ou pela quarta revolução industrial com a era cognitiva, da robotização e inovações disruptivas, mas por todo o contexto e esferas que essas mudanças estão acarretando, sendo elas físicas, digitais e biológicas (e principalmente no que diz respeito ao propósito de vida e trabalho).

Só pra lembrar, a geração hiperconectada (por causa da internet) é fruto da ação conjunta de tecnologias e também do “barateamento” e acesso mais fácil a inteligência artificial, a internet das coisas, a computação cognitiva, nanotecnologia, os vídeos 360º, impressoras 3D e os avanços da realidade virtual. Tudo isso promove a fusão entre o mundo físico, o virtual e o biológico. Outro ponto que merece destaque é o fato de que a interação do homem com os robôs deve aumentar. As vendas de robôs, segundo a International Federation of Robotics têm crescido continuamente. Em 2015 foram vendidos, no mundo todo, 255 mil, e estima-se que em 2018 serão 400 mil. Resultado? Uma era das tecnologias exponenciais!

Mas acredito que toda essa tecnologia e evolução nos deixará cada vez mais humanos. Sim, isso mesmo que você acabou de ler. Note como todos os aplicativos e facilidades que surgiram tem nos ajudado a ganhar tempo (que pode e deve ser dedicado a coisas valiosas). Mesmo que tudo mude com uma velocidade assustadora, o próprio mercado de trabalho, por exemplo, está sendo mudado drasticamente. Nos próximos 10 anos, 50% das profissões hoje deixarão de existir. Prova disso é o fato das cinco maiores empresas do mundo em valor de mercado hoje serem empresas de algoritmos e plataformas que não pertencem a setores tradicionais que conhecemos.

Pois bem, o maior desafio do empresário não será apenas enfrentar as mudanças, competir e conviver com as novas tecnologias, mas ter novas competências e saber usar as habilidades essenciais, tais como criatividade, visão, inteligência emocional e empatia para conseguir sobreviver e ajudar as suas empresas.

O que isso significa? Que os “novos empresários” adotaram não apenas uma nova postura, mas eles têm uma visão diferente do mercado e do mundo. Mercados como saúde, educação, agricultura, finanças e varejo estão sendo completamente modificados pela tecnologia, que claramente é conduzida por percepções e necessidades humanas.

Assim como as pessoas, as empresas também vivem de ciclos, fases que contemplam altos e baixos, crises, abundância e etc. E em meio a tudo isso, as empresas que buscam se destacar atualmente precisam apostar na flexibilidade, em propósito e principalmente acreditar no poder da diversidade. A diversidade que une, soma e multiplica boas ideias e ações. Na prática isso significa que uma empresa visionária investe em pessoas como seu maior ativo, e sim, pessoas diferentes! Lembre-se que não existem padrões que são capaz de definir competência e comprometimento. São pessoas que sabem o que querem que movimentam este “novo mundo”, porque são movidas pelo incômodo, inquietação, impulsionadas pelas adversidades, pelo senso crítico, discernimento moral e, obviamente, por opiniões convergentes e divergentes. E isso vai fazer sua empresa seja ela de qualquer segmento, navegar nessa nova era sem turbulência.

Em suma, acredito que saímos de um período onde as máquinas foram criadas e pensadas para atender outras máquinas. Os processos e invenções passaram a ser idealizados para atender necessidades de pessoas comuns, assim como eu e você. É preciso olhar além e enxergar mais do que projeções financeiras ou projetos de expansão.

Estou falando sobre viver a história e liderá-la ao invés de esperar que alguém a conte para você. Tomar frente e iniciativa e não apenas esperar pelas próximas tecnologias ou mudanças que virão. Algo que passa por nossas cabeças em algum ponto de nossa trajetória é: será que paramos de aprender? Não é incomum lidar com pessoas e empresas que pararam de renovar, inovar ou aprender e se tornam desatualizadas porque se acham grandes demais para falhar ou orgulhosas demais para mudar.

Por que a grande maioria das empresas morrem atualmente? Basicamente porque não souberam lidar com as mudanças, com os desafios, não tiveram capacidade e velocidade para traçar novos caminhos e seguir em frente. O fato é que conforto e crescimento não coexistem.

A beleza de tudo isso é que viveremos para ver a era em que a tecnologia servirá para realizar feitos, de fato, humanamente impossíveis. E nós, seres humanos, viveremos sempre para criar o novo. Não à toa, humanizar a tecnologia é um dos alicerces fundamentais da transformação digital pela qual trabalhamos tanto. A ideia de expandir a inteligência humana por meio da tecnologia nunca ficou tão clara. E, parafraseando Thomas J. Watson, “todos os problemas do mundo podem ser resolvidos se estivermos dispostos a pensar”.

Por tudo isso, posso afirmar que o que faz uma empresa existir por cem anos são as pessoas por trás dela, que lideram e vivem constantes renovações para construir o futuro.

Pense nisso e corra para reinventar hoje a sua empresa de amanhã.

João Kepler Braga www.joaokepler.com.br

Mercatório recebe capital da Bossa Nova Investimentos

Startup do FIEMG Lab recebe investimento durante o FIEMG Lab for Investors

A Mercatório, startup que desenvolve uma solução que automatiza a negociação de precatórios, fechou sua primeira rodada de investimentos durante o FIEMG Lab for Investors. Os investidores são João Kepler e Pierre Schurmann, sócios na Bossa Nova Investimentos, empresa focada em conceder capital em startups B2B que geram receita e possuem capacidade de escalar.

O valor concedido à startup pode ser usado em qualquer área do negócio e, além do capital, os investidores acompanham a evolução da empresa e possibilitam o acesso a mentores e contatos em grandes corporações.

Segundo o CEO da Mercatório, Gabriel Moterani, o aporte recebido será direcionado para a área de marketing principalmente, incluindo ações de conteúdo para a educação dos clientes, organização de eventos, contratação de pessoas e na expansão do negócio para além de Belo Horizonte.

Com um pitch consistente, dados do mercado e do potencial da startup, a Mercatório demonstrou maturidade e um bom modelo de negócio, itens que favoreceram a captação do investimento.

Investimentos e maturidade do negócio

A Mercatório surgiu em um Startup Weekend há 8 meses e conta com um time bastante complementar formado por dois engenheiros, um desenvolvedor de software e um advogado. A sintonia entre os sócios e o foco em transformar o que era uma ideia em um modelo de negócio de sucesso foi o que moveu a startup a participar de programas como o Lemonade e, agora, do FIEMG Lab.

As conexões e os aprendizados sendo gerados no programa de aceleração foram decisivos para a Mercatório conseguir o capital da Bossa Nova, como conta o CEO da startup.

Como dica para aqueles que pretendem ir atrás de investimentos, Gabriel Moterani acredita que é preciso focar em dois pontos principais: amadurecer o negócio e avaliar bem se é o momento para buscar aporte financeiro.

Finalizando o desenvolvimento da plataforma, que já está em fase de testes, a Mercatório pode ser contactada através do seu site.

 

Fonte: http://www.fiemglab.com.br/blog/mercatorio-recebe-capital-da-bossa-nova-investimentos/

Repassa

O Repassa é um e-commerce/marketplace de roupas e acessórios gentilmente usados. Trabalhamos para desbloquear os mais de R$50 bilhões parados no guarda-roupa dos brasileiros, trazendo esse valor de volta para a economia, gerando recursos para projetos sociais, além de minimizar o impacto ambiental da industria da moda.

 

Quem quer vender, pede uma Sacola do Bem, recebe em casa, enche com tudo o que amou, mas não usa mais e envia de volta para a gente. Nós fazemos todo o trabalho e o vendedor fica com 60% do valor.

 

Quem quer comprar, economiza até 90% do preço original da peça, compra com garantia de recebimento, certificado de qualidade e autenticidade, além de contar com a devolução gratuita do que não servir.

 

Quem quer doar, seleciona uma ONG e a % que será doada do valor de suas vendas, enquanto pede a sua Sacola do Bem. A peça é listada como um Repasse Solidário e o valor é transferido para a ONG automaticamente.

Venda, compre e faça o bem no Repassa!

www.repassa.com.br

Contatos:

Tadeu Almeida | tadeu@repassa.com.br

Conta Um

 

A Conta Um é uma conta digital atrelada a um cartão recarregável Mastercard com foco na inclusão de brasileiros no SPB, oferecendo diversos serviços exclusivos e atuando como meio de pagamentos com foco em recorrência.

 

Para empresas de todos os portes e indústrias oferecemos uma solução para a gestão de pagamentos, recebimentos e reconhecimento em uma única plataforma em tempo real, com os produtos conta/cartão corporativo, conta/cartão salário e cartão premiação.

 

A operacionalização do sistema permite grande economia de tempo e esforços, garantindo melhor controle. Para projetos white label desenvolvemos, implatamos e gerenciamos de ponta a ponta todo o projeto. Para o varejo oferecemos todas as funcionalidades financeiras necessárias ao dia a dia dos usuários de forma simples e segura, através da Wallet Conta Um.

Conheça nossos produtos:

CORPORATIVOS: Gestão em uma única plataforma com controle e transferências online e em real time.

  • Cartão Corporativo: ideal para despesas da empresa, despesas com locomoção, serviços online e em substituição de reembolsos e caixinha.
  • Cartão Salário: Pagamento de Salarios e Bonificações com todas as funcionalidades de uma conta corrente e custos bem inferiores aos sistema financeiro tradicional, sem a necessidade de aprovação ao Serasa. Ideal para desbancarizados, negativados ou colaboradores que não possuem ou não querem possuir conta corrente.
  • Cartão Incentivo: Premiação, Pagamento de Comissões.

WHITE LABEL: Cartão e Wallet Digital Personalizados com a marca do cliente

CHECKOUT ONLINE com split inteligente e automatizado, com taxas bem diferenciadas.

POS DIGITAL E MAQUININHAS com split inteligente e automatizado, com taxas bem diferenciadas.

 

www.contaum.com.br

 

Contatos:

Moacy Veiga | moacy.veiga@contaum.com.br

Renata Ceschin | renata.ceschin@contaum.com.br

Scroll to top